FRENTE BRASIL POPULAR > Imprensa > Notícias > Brasília tem dia movimentado contra ameaças do governo Temer

Brasília tem dia movimentado contra ameaças do governo Temer

Representantes de vários setores iniciaram atos desde as 7h em diversos locais

Reunidos desde o início da manhã, com eventos que também entraram pela tarde e foram concluídos à noite, na Esplanada dos Ministérios, servidores de várias categorias do Distrito Federal comemoram o êxito dos atos e assembleias realizados em Brasília, hoje (22), por conta do dia nacional da mobilização contra a perda de direitos trabalhistas e contra o governo de Michel Temer. O resultado foi tido como mais do que positivo, uma vez que foi marcado por várias assembleias setorizadas realizadas em pontos diversos da capital do país e dois movimentos unificados - um deles na Câmara Legislativa do Distrito Federal, à tarde, e outro na Esplanada dos Ministérios, que ainda acontece.

Na audiência pública na Câmara Legislativa do Distrito Federal, eles discutiram com parlamentares a situação das categorias em nível local, e também, as propostas em tramitação no Congresso Nacional que prejudicam o país como um todo.

Na Esplanada, os manifestantes se reuniram a integrantes da Frente Brasil Popular, Frente Povo Sem Medo, Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), e movimento Levante Popular. Também compareceram representantes de centrais sindicais e vários sindicatos. O secretário-geral da CUT Brasília, Rodrigo Rodrigues, ressaltou a importância do movimento, que reuniu professores, servidores do Detran DF, servidores públicos federais, urbanitários, metroviários e profissionais da área de Saúde e bancários – que estão em greve há 17 dias.

No ato na Câmara Legislativa, que teve a participação de servidores públicos, empregados da administração direta, de autarquias e empresas públicas do Distrito Federal, além de trabalhadores da iniciativa privada, os manifestantes debateram a situação individual de cada categoria com os deputados e fizeram queixas em relação às ameaças aos seus direitos e conquistas.

“Estamos indignados. São ameaças que afetam os brasileiros que trabalham no setor público e privado, sem falar nos aposentados. Temos que nos unir cada vez mais em atos como esse. É preciso que todos vão para as ruas”, afirmou o urbanitário Jaime Lopes.

Os trabalhadores também falaram sobre debate realizado no Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central, ontem (21), quando um dos técnicos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Max Leno, fez uma avaliação da conjuntura do país e afirmou que os projetos para reduzir gastos públicos e tentar ajustar contas da União são baseados em receituário neoliberal de redução do Estado, que extinguem ou diminuem programas sociais e serviços públicos.

'Retrocesso de décadas'

“Com a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241 (que congela os gastos públicos por 20 anos, em tramitação na Câmara dos Deputados), setores como saúde, educação, assistência social, segurança e toda a área social ficarão comprometidos. Será o caos. Um retrocesso de décadas que não podemos permitir”, afirmou a professora Alice Santa Cruz.

Os trabalhadores chamaram a atenção para o projeto de lei (PL) 257, que condiciona o alongamento e os descontos de pagamento das dívidas dos estados e DF junto à União à contenção dos investimentos no serviço público das três esferas. Segundo eles, a avaliação do Dieese é de que as restrições de despesas representam contenção ou deterioração dos serviços oferecidos à população, motivo pelo qual o projeto proporcionará, entre outros prejuízos, congelamentos de salários, suspensão de concursos públicos e abertura da possibilidade de acabar com a valorização anual do salário mínimo.

O presidente do Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do GDF (Sindsasc), Clayton Avelar, lembrou ser necessária a unidade das categorias neste momento crucial. “Não podemos ser prejudicados pelas medidas de arrocho do governo. Já enfrentamos uma luta constante na manutenção e garantia de um serviço público de qualidade. Se aprovadas essas propostas, veremos o sucateamento em massa de todos os setores. Somente com unidade das bases, conseguiremos barrar este calote”, afirmou.

Também o representante da CUT e servidor federal Ismael José Cesar destacou que quando a central falava que o golpe parlamentar não era contra a presidenta Dilma Rousseff ou contra o PT, mas em relação à classe trabalhadora, estava se referindo aos ataques que estão sendo observados agora. “Falávamos destas manobras que o presidente ilegítimo Michel Temer vem implementando, que simplesmente desmontam o Estado. Mas não abriremos mão de nenhum direito, de nenhuma conquista”, disse.

“Tudo caminha para piorar e não adianta só escolhermos melhor nossos deputados. Temos que ir para as ruas, demonstrar apoio aos políticos que se opõem a estas medidas encaminhadas ao Congresso. O momento é de fazermos greve geral e nos unirmos para mostrar que há uma mobilização forte e coesa em todo o país”, afirmou o técnico na área de Saúde Rogério Lima.

Governo local

O presidente da CUT Brasília, Rodrigo Britto, que foi um dos convidados a falar no plenário da Câmara Legislativa, afirmou que os trabalhadores querem, além de evitar perdas por parte do Executivo federal, que o governo local também cumpra com o seu papel, efetuando o pagamento de parcelas de reajuste do funcionalismo e pagando outros benefícios que foram conquistados anteriormente cujos pagamentos estão atrasados.

A diretora do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF) Rosilene Correia disse que “dinheiro para investir em privatizações sempre aparece, mas sempre falta quando se trata de valorização dos servidores”. “O governo está causando o desmonte do serviço público por meio dos projetos que representam a retirada de direitos dos trabalhadores, e isso não vamos aceitar”, acrescentou.

Os trabalhadores receberam o apoio de vários deputados distritais e federais, dentre os quais, o deputado Bispo Renato Andrade (PR), que reiterou que o pagamento dos acertos firmados anteriormente “não é favor, e sim, obrigação" e a deputada federal Erika Kokay (PT-DF), para quem o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, “precisa tomar mais cuidado com as pessoas que ajudam a construir a história da capital federal”.

Várias categorias do DF pretendem paralisar as atividades a partir dos próximos dias – o que será decidido após realização de assembleias a serem marcadas de amanhã até segunda-feira (26).